Kingo Labs
Livros apócrifos
Home » História » Livros apócrifos: saiba quais são

Livros apócrifos: saiba quais são

A bíblia é o livro que orienta a fé de cristãos de todo o mundo. Ela possui diversas versões, dependendo do país e da religião seguida. Alguns textos são removidos e outros acrescentados. Quando fizeram a primeira versão, alguns conteúdos ficaram de fora, estes passaram a ser chamados de livros apócrifos. Quer saber mais sobre eles? Confira a seguir.

O que são livros apócrifos?

Também conhecidos como livros pseudoanônimos, foram escritos por cristãos de diferentes épocas, alguns deles até mesmo antes desta vertente religiosa ter sido criada. Existem livros apócrifos do Antigo Testamento. Porém, os novos textos não foram inseridos na bíblia como conhecemos por terem sido escritos após o primeiro século.

De onde vem este termo?

A palavra apócrifos vem do latim apócryphus, que em português significa oculto. Esse termo foi criado por Jerônimo de Estridão no século V, nomeando as últimas escrituras judaicas após o Livro de Malaquias e chegada de Jesus Cristo na Terra. De acordo com os cristãos, são livros que não foram inspirados em Deus e, portanto, não fazem parte de nenhum cânon.

Como é feita a classificação de livros apócrifos?

A classificação dos livros apócrifos é feita de acordo com cada religião. Os judeus consideram apócrifos alguns livros que para os cristãos são canônicos. Existem textos inclusos na septuaginta – a verão hebraica da bíblia – devido a razões históricas. Os católicos reconheceram alguns livros posteriormente, como Tobias, Judite, I e II Macabeus, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico, Baruc e algumas edições em Ester e Daniel.

Como são os livros apócrifos?

Existem diversos tipos de materiais que são chamados dessa forma. Podem ser cartas, coletâneas de frases, narrativas da criação por Deus ou profecias apocalípticas. Alguns dos apócrifos falam sobre a vida de Jesus Cristo e de seus discípulos. O modo de escrita é bem variável, já que foi escrito ao longo de diferentes épocas.

Como os católicos consideram os livros apócrifos?

Historiadores e teólogos da religião católica acreditam que alguns destes apócrifos foram escritos muitos anos após a vida de Jesus Cristo. Citam que existem textos feitos no século II, dessa forma não podem ser considerados canônicos, ou seja, aqueles que narram somente a verdade sem nenhum tipo de distorção. Eles foram removidos já que mostravam Jesus de outra maneira.

Os apócrifos removidos da bíblia normalmente mostram Cristo semelhante a Deus, sem apresentar sentimentos comuns entre os homens, diminuindo o sacrífico na passagem pela morte. Jesus é mostrado com outras características, diferentes das citadas nos quatro evangelhos. O livro e o filme “O Código da Vinci” utilizaram algumas dessas obras.

Existem quantos livros apócrifos?

Existem mais livros apócrifos do que textos na bíblia canônica. São 52 escrituras feitas antes do Antigo Testamento, que mesmo assim foram removidas e 61 escritas após o Novo Testamento. Na verdade, estes são os principais, pois, existem bem mais produções classificadas desta forma.

Livros apócrifos do Antigo Testamento

Estes livros são os mais conhecidos, sendo que existem 52 principais, como o Primeiro Livro de Adão e Eva, indicando que o primeiro casal recebeu ordem para morar na Caverna dos Tesouros assim que saíram do Jardim do Éden. São dois textos sobre o fim dos tempos, o Apocalipse de Moisés e o Apocalipse de Sidrac, onde o primeiro deles narra os últimos momento antes da morte de Adão, com mais de 900 anos de idade.

Existem o Salmo 151 e os Salmos de Salomão, onde durante muito tempo pensaram que o primeiro deles tinha origem na Grécia Antiga, mas depois ficou comprovado que vinha de Qumran, já o segundo foi encontrado somente no século XVII, tendo sido escrito por volta de 60 a.C. Um dos últimos apócrifos é o Testamento dos Doze Patriarcas, que fala sobre as ordens aos filhos de Jacó.

Livros apócrifos da septuaginta

Conhecidos como livros deuterocanônicos, compõe um conjunto de sete textos presentes na septuaginta, tendo sido escritos no século I d.C e começo do século II d.C. Entre eles estão adições em Daniel e Ester, Baruc, Eclesiástico ou Sirácida ou Ben Sirá, Livro de Judite, Primeiro Livro de Macabeus ou I Macabeus, Segundo Livro de Macabeus ou II Macabeus, Livro de Tobias e Sabedoria.

Apócrifos do Novo Testamento

Alguns destes textos não possuem assinatura, sendo que a maioria deles foi escrito nos primeiros séculos do cristianismo. Não são reconhecidos pelos ortodoxos, assim não estão na bíblia. Mesmo pesquisadores experientes não entram em consenso sobre quais deveriam ser considerados canônicos. Atualmente a Igreja Ortodoxa da Etiópia aceita alguns destes textos.

Este tipo de conteúdo conta com os Atos Apócrifos, que eram comuns durante o cristianismo primitivo. Descreviam a movimentação de cristãos após a Ascensão de Jesus. Diversos destes textos tratam sobre a vida dos apóstolos após a ressurreição de Cristo, que teriam sido cercadas de eventos sobrenaturais. Epístolas e apocalipse não ficaram de fora e estão presentes entre os apócrifos do Novo Testamento.

Escritos de Qumran

Qumran é um sítio arqueológico localizado na Cisjordânia, próximo do Mar Morto e de Jerusalém. A lista de livros apócrifos conta ainda com 42 conhecidos como Escritos de Qumran, já que foram encontrados naquela redondeza. Entre eles está Gênesis Apócrifo, que não conta com a sua primeira parte, onde possivelmente estava a história de Adão e Eva. O texto inicia na página 5, citando o nascimento de Noé e trechos de sua vida.

O que é cânon bíblico?

Conhecida por cânone bíblico ou cânone das escrituras, consiste na lista com os textos ou livros que um determinado segmento da fé aceita como inspirados por Deus. Os cristãos foram os primeiros a utilizarem este termo para se referirem as suas Escrituras. A maioria destes textos está em sua versão final e não podem passar por alterações.

A Biblioteca de Nag Hammadi

A Biblioteca de Nag Hammadi consiste numa coleção de textos gnósticos do cristianismo primitivo, iniciado a partir de 325 d.C. Apresentam obras importantes, como Apócrifo de Tiago e diferentes versões do Apócrifo de João. O primeiro deles é conhecido ainda por Evangelho Secreto de Tiago, descrevendo ensinamentos secretos de Jesus a Pedro e Tiago.